BEDA 2017

Minimalismo: papéis

09:00

O minimalismo não tem regras, mas algumas coisas que fazemos e que dá certo pode servir de inspiração para as outras pessoas, foi assim que eu cheguei até aqui: com relatos de experiências de outras pessoas, buscando sempre absorver o que é viável para a minha realidade e adaptando sempre ao meu dia a dia. Por isso eu gostaria de dividir com você, que de vez em quando vem passear por aqui, algumas coisinhas que eu faço ou que estou tentando fazer para viver a vida minimalista. E tudo o que eu escrevo, além de servir para outras pessoas, também é como uma espécie de diário pessoal porque sou uma pessoa bastante esquecida e também porque gosto de deixar tudo organizadinho e aí já aproveito pra mostrar pro mundo o que eu encontrei de melhor, acho que isso é a mágica de se ter um blog.

Como a louca das listas que sou, tentei separar em tópicos o minimalismo no meu mundo e a primeira coisa sobre a qual venho falar é algo que utilizo muito desde sempre: o papel.


Eu gosto muito de escrever à mão, por isso sempre tenho um caderninho ao alcance pra anotar todas as ideias que se passam pela minha cabeça, por conta disso já cheguei a ter imensidões de cadernos, bloquinhos de anotação, post-its, etc, mas e depois, pra onde vai tudo isso? Lixo? Fogueira? E o que tem por trás do papel até ele chegar em nossas mãos? Eu lhe digo: tem uma árvore, ou melhor, tem muitas árvores.

E pensar em como eu estou destruindo árvores mesmo que indiretamente e inconscientemente me deu um susto, porque as árvores demoram muito pra crescer, elas estão diminuindo no planeta e tudo mais o que já sabemos sobre elas... foi quando o minimalismo foi chegando e eu fui levando para o lado dos papéis também e hoje eu tenho algumas "regrinhas" sobre o papel na minha vida:

1) Digitalizar tudo: aqui entra principalmente a parte das contas, boletos, etc. Hoje em dia, a maioria das empresas pensando no meio ambiente (e também na sua economia porque elas não são bobas nem nada) estão investindo em contas digitais, em enviar o código de barras do boleto por e-mail ou mensagens de texto, cada vez menos recebemos contas pelo Correio e isso é ótimo, sempre que posso migro para esse serviço que além de ser mais prático diminui muito os papéis. Além disso, também procuro digitalizar os manuais e garantias dos produtos que compro, na dúvida tá ali no computador guardadinho e sem acumular papéis.

2) Evitar imprimir: sou de um tempo em que ter impressora em casa era um luxo e quando tive minha primeira impressora a vontade era de sair imprimindo tudo o que achasse legal e eu fiz isso, gastei muita tinta e papel nessa brincadeira, mas no fim tudo acabava indo pro lixo. Na era de e-mails e mensagens digitais, celulares e tablets que você pode levar pra qualquer lugar, imprimir é quase inútil. Então, eu só imprimo quando é algo muito importante como um documento, ou que precise de assinatura. Já faz muito tempo que não sei mais o que é trocar um cartucho.

3) Utilizar rascunho: digamos que tive que por algum motivo imprimir algo, mas que não vou mais utilizar, então antes de jogar fora eu utilizo todos os cantinhos da folha, seja novamente para impressão ou então faço bloquinhos de rascunho para anotação, isso reduz muito o uso de folhas em branco.

4) Separar para reciclar: depois que utilizei o papel de todas as formas possíveis e que realmente o único destino for o lixo, sempre coloco na lixeira seletiva para reciclagem.

5) Recusar papel: eu já citei 5 coisas que não compro/utilizo mais e dentre elas estava os comprovantes do cartão, além disso eu nunca pego panfletos na rua, as vezes me sinto um pouco antipática com as pessoas que estão distribuindo porque sei que é o trabalho delas, mas geralmente agradeço e não pego porque com certeza serão de coisas que não tenho interesse e acaba indo para a primeira lixeira que eu encontrar ou pra minha bolsa e de lá para a lixeira de qualquer forma.

6) Ter apenas um local de anotação: no meu caso tenho dois, um para anotações pessoais que é o Bullet Journal e outro para anotações do trabalho, porque nesse caso gosto de deixar tudo separado. Mas fora esses dois, não tenho mais milhares de cadernos e papeizinhos avulsos.

Lembrando que isso é o que se encaixa na minha vida, pra você pode ser diferente, mas tudo pode ser adaptado, o importante é (se você se sentir a vontade) da sua maneira tentar fazer alguma coisa para mudar.

BEDA 2017

O futuro é logo ali

09:00

Pessoas ansiosas como eu sofrem muito com o futuro e como se já não bastasse esse desgraçamento da cabeça que vivo diariamente aparecem TAGs com perguntas sobre o assunto e me segura que quero responder.


1. Como você se vê daqui a 10 anos?
Mil coisas passam pela minha cabeça quando se trata do futuro, afinal NÓS NÃO SABEMOS, a não ser que tenhamos contato com o etzão de Arrival, não tem como saber. Mas eu não tenho sonhos tão ambiciosos pra minha vida, só quero estar em paz, estar com pessoas que amo e de preferência ter uma grande biblioteca e passar o dia lendo.

2. Você acha que terá os mesmos amigos em 10 anos?
Os mesmíssimos acho que não, as pessoas chegam e vão embora da nossa vida e não podemos segurá-las. Sempre estamos conhecendo pessoas novas e infelizmente (ou não) nos afastamos de outras e esse é o ciclo. Claro que existem aquelas que irão permanecer e eu espero que as verdadeiras permaneçam sim e que possamos envelhecer juntos.

3. Você se vê casada e com filhos?
Estabelecer uma família e colocar criaturinhas nesse mundo cruel é uma responsabilidade enorme, mas é algo que quero experimentar sim.

4. Qual o seu maior medo do futuro?
É um medo bastante real e que de uma maneira ou de outra vai acontecer, mas que eu queria poder adiar o máximo possível que é: ver meus pais indo para outro plano, é algo que dói só de imaginar.

5. Que diferença gostaria de fazer no mundo?
Esse mundo está tão cagado que as vezes a gente acha que qualquer coisa que fizermos não vai adiantar de nada, mas adianta sim, se você puder mudar a você mesmo já estará fazendo algo pelo mundo e eu gostaria muito daquele clichê de escrever um livro, plantar muitas árvores e ter um filho e no meio de tudo isso tentar mostrar pro mundo que a melhor escolha é sempre o bem.

6. O que quer mudar em si mesma num futuro próximo?
Fisicamente é sair do sedentarismo porque com a idade chegando vamos ficando crocantes e travados, já comecei esse processo indo na academia 3 vezes por semana e tentando me alimentar melhor, além disso quero me tornar vegana, o vegetarianismo já consegui. Em outros aspectos acho que estou mudando a cada dia, tentando ser melhor comigo mesma, com todos a minha volta e com o universo, tentando produzir menos lixo, ficar menos estressada, aproveitar melhor os momentos bons, diminuir a ansiedade... é uma luta constante.

7. Qual viagem gostaria de fazer nos próximos anos?
Nossa, o mundo é tão grande e gostaria de conhecê-lo todinho, mas se for pra escolher um destino e lutar por ele seria Paris (sim, sou um amontoado de clichês).

8. Quais coisas mais gostaria de aprender?
Costurar, é uma coisa tão simplinha, mas que eu acho lindo e gostaria muito de fazer. Além disso, aprender francês e a me expressar melhor.

9. Qual arma você escolheria num futuro apocalipse zumbi?
Vixe, se isso acontecer eu não sobreviveria muito tempo não porque minha habilidade em lutas é zero. Talvez uma arma de longo alcance para eu matar zumbis bem de longe, mas munição não dura pra sempre então talvez um taco de golfe ajude bastante também.

10. O que está fazendo para realizar tudo que deseja no futuro?
Basicamente nada, como disse, minhas ambições não são tão extravagantes assim e a vida vai acontecendo de uma maneira que tudo se encaixa um dia. Claro que trabalho e estudo nunca é demais (mentira é demais sim, mas a gente aguenta) pra um crescimento constante, mas vamos todos morrer mesmo, pra que ficar louco com essas coisas não é mesmo?

BEDA 2017

Caçadores de Trolls

09:00


Autor: Guillermo Del Toro e Daniel Kraus
Editora: Intrínseca
Páginas: 340
Sinopse: "Uma história de terror criada por um dos artistas mais visionários da atualidade. O estilo inconfundível e marcante de Guillermo Del Toro, sempre envolvendo universos mágicos, criaturas fantásticas e histórias espantosas, está presente em toda a sua obra como cineasta, roteirista, produtor e autor. Em Caçadores de Trolls, ele presenteia os leitores com uma história sombria e de dar arrepios, com ilustrações capazes de nos transportar para um mundo paralelo apavorante. Jim Sturges é o típico adolescente na cidade de San Bernardino: tem um pai super protetor, um melhor amigo meio desajeitado e uma paixão platônica por uma menina que nem sabe que ele existe. mas isso tudo muda quando um mistério de décadas ressurge, ameaçado a vida de todos os moradores da entediante cidadezinha. Junto com um grupo de heróis improváveis, Jim terá que enfrentar monstros com um gosto especial por carne humana. Um livro sobre os medos e criaturas que se ocultam onde menos se espera."

Depois que terminei a saga Harry Potter, minha sede por leitura aumentou ainda mais e por isso já comecei outro livro logo em seguida. Mas após uma série de 7 livros que são maravilhosos, mas que te sugam de uma maneira inacreditável eu optei por uma história que considerava mais leve e tranquila de se ler. Acontece que era um livro do nosso querido Guillermo Del Toro e não foi assim tão leve e tranquilo como eu esperava, afinal as histórias dele são incríveis e cheias de elementos mágicos e criaturas estranhas.

Caçadores de Trolls conta a história de uma pacata cidadezinha chamada San Bernardino, a narrativa começa 45 anos antes, quando a cidade passou por um momento desolador onde várias crianças sumiram e nunca mais foram encontradas. O narrador é Jim, sobrinho de um desses meninos que desapareceu, por ter sido o irmão que conseguiu fugir, o pai de Jim cresceu com um medo absurdo de tudo e super protegia ao máximo o filho.

Jim não era popular, não fazia parte de nenhum grupo ou time na escola, só tinha um amigo: o Bola, e os dois eram constantemente espancados pelo principal jogador e garoto mais popular da escola. Até que um dia Jim de uma maneira muito assustadora descobriu que ele pertencia a uma família que tradicionalmente era caçadora de trolls e é aí que a aventura no submundo começa, com muitas descobertas pessoais e de um mundo diferente do que ele estava habituado.

Por que eu gostei? Porque foi uma história com princípio, meio e fim, tudo ficou bem esclarecido e os ganchos todos fechadinhos no final. Não ficou aquele gostinho de quero mais porque tudo ficou resolvido, gosto assim. Outra coisa que me agradou bastante foram as ilustrações feitas pelo Daniel Kraus, ficaram bastante condizentes com as características da história, principalmente dos trolls.

Por que eu não gostei? Apesar de já imaginar que seria assim, achei a história bastante infanto juvenil, fora algumas partes que foram realmente fortes demais para ser lido por esse público, o decorrer do livro foi bastante "historinha de adolescente aventureiro". Recomendo pra quem quer uma história de terror, porém não muito.

Tem uma animação na Netflix dessa história que ainda não assisti, parece ser bem mais infantilzinha que o livro, porém quero muito ver.

BEDA 2017

Links da semana

09:00

Se vencemos 3 semanas de BEDA acho que conseguiremos ir até o fim, falta pouco, dessa vez vai! E como de costume, na sexta-feira trago alguns links legais que vi por aí, pode ser do BEDA ou não, mas tenho certeza que vão gostar:


❥ Dia 1 de agosto eu me matriculei na academia, agora se estou indo regularmente é outra história kkk (rindo de nervoso), a Isa escreveu sobre a experiência dela na academia e eu super me identifiquei.

Domingo foi dia dos pais, eu infelizmente não pude passar o dia com o meu, mas tinha ido vê-lo na semana anterior, afinal dia dos pais é todo dia. A Mia fez uma listinha de 6 pais da ficção que merecem um joinha, e merecem mesmo.

 Este post da Karina nem é desta semana, mas como eu só vi depois que já tinha feito o da semana passada, trouxe pras indicações mesmo assim porque gostei muito do projeto que ela e outras meninas super legais estão fazendo para exercitar a escrita e desta vez elas escreveram sobre o melhor de cada uma delas.

 Acho que todo mundo tá cansado daquelas pessoas que não leem seus posts e mesmo assim comentam qualquer coisa só pra ganhar uma visita de volta né? A Nikas falou sobre isso e uma dica: não seja esse tipo de pessoa.

❥ Que eu tô na vibe do minimalismo vocês já sabem né? Por isso gostei tanto dessas 5 dicas da Maki para desapegar das roupas que você não ama mais.

❥ E por aqui rolou post todo dia também, estou orgulhosa de mim mesma porque não imaginava. Ultimamente estou viciadinha em músicas de cantores nacionais e falei sobre alguns santos de casa que fazem milagre sim, fiz uma homenagem muito mais que merecida ao brócolis, também teve bad e fiz um post bem nada a ver pra desabafar, comentei sobre o que é minimalismo e o que está significando pra mim essa filosofia, respondi 31 questões aleatórias porque uma tag sempre nos salva e contei as coisas que eu vejo da minha janela.

Ufa, metade do mês já foi!

642 coisas

Da janela lateral do quarto de dormir

09:00

Este post faz parte do projeto 642 coisas sobre as quais escrever e este é o item 6 que sugere falar sobre 5 coisas que você vê pela janela mais próxima:

Já morei em casa com a vista para uma floresta e já morei em casa que não tinha nem janela, hoje moro em uma casa que tem vista para a vida, ao olhar por aquela moldura de vidro vejo o quanto sou feliz, o quanto conquistei e conquisto até hoje e o quanto tenho que agradecer. Mas falando de coisas que não são subjetivas, eu vejo:

1) Minhas gatinhas brincando quando eu chego em casa e deixo elas passearem um pouquinho pelo quintal (lembrando que tem tela e que eu fico sempre supervisionando).


2) Uma construção que está sendo feita do lado e posso enxergar poesia até nisso, na família que vai morar ali, na vida que vai acontecer nessa casa nova.

3) Vejo o céu, sempre no mesmo lugar, as vezes sol, as vezes lua e estrelas, as vezes chuva e nuvens, mas sempre o mesmo céu.


4) Uma mesma árvore em todas as estações, em cada uma diferente, mas sempre com a mesma força e imponência. 


5) Eu vejo os pássaros nessa mesma árvore, cantando seu canto, fazendo seus ninhos, vivendo sua vida, completando seu ciclo.

A janela me renova, me liberta, me inspira.