30 de nov de 2017

Sobre escrever

Dias atrás participei de um workshop promovido pela empresa onde trabalho e no meio de tantas dinâmicas e participações que o público faz durante a fala do palestrante tiveram algumas perguntas e a que eu tive que responder foi: "Qual sonho mais te deixa motivado e empolgado?", tinha um tempo para pensar, mas eu nem precisei, a primeira coisa que veio a minha mente foi: escrever um livro. Eu vejo o escrever como uma coisa incrível, algo que eu posso fazer para sempre sem nunca cansar (mesmo com alguns dias de pouca inspiração), é na escrita que busco refúgio sempre que estou muito feliz ou muito triste.

Por esses dias estive na casa dos meus pais e fui organizar minhas coisas que estão lá, doar o que não uso, jogar fora o que não tinha mais sentido guardar e encontrei tanta coisa, tantos cadernos, diários, papéis rabiscados, dentre eles está o meu primeiro caderninho, o primeiro que meus pais deixaram eu rabiscar ainda quando bebê e foi tão lindo reconhecer que isso faz mais parte de mim do que eu imaginava.

O fato de eu responder que queria escrever um livro, assim tão rapidamente demonstrou que isso ainda está dentro de mim, que eu não esqueci do meu sonho, que essa vontade de pôr tudo pra fora através das palavras é tão grande e que por mais que o tempo passe ainda sobrevive.

É pra isso que eu tenho o blog, a newsletter e o bullet journal, se não tivesse onde me expressar acho que explodiria. Este post é meio que um lembrete, um grito, um suplício pra que mesmo nos dias mais terríveis eu não esqueça que escrever é tudo que eu tenho e o que eu sempre vou ter pra mostrar pro mundo - pelo menos uma parte - do que eu sou e do que tenho dentro de mim.


25 de out de 2017

A insustentável leveza do ser

Autor: Milan Kundera
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 314
Sinopse: "É um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos se conjuga com extrema felicidade à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração - o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história - Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la."

Não sei nem como começar a escrever sobre esse livro, ele é daqueles que temos que ler no momento certo, daqueles que tem que estar disposto a interpretar, a reler alguns trechos se for preciso, a grifar... e olha, o meu exemplar eu grifei quase todas as páginas, pois tem muito conteúdo, tem muita filosofia, muitos questionamentos e explosão mental. Kundera conseguiu misturar romance com filosofia, história política e muitas outras coisas e formou essa obra prima.

As pessoas me falavam dele com tanto entusiasmo e paixão que tive que passar na frente da minha fila de leituras, principalmente depois que encontrei num sebo, ele tinha acabado de chegar, nem havia sido catalogado ainda e eu por "acaso" estava passando por lá e resolvi entrar. O livro foi o meu "Es muss sein" (tem que ser).

Ele conta a história de quatro personagens que de alguma forma se cruzam, direta ou indiretamente, mostra o peso e a leveza na vida de cada um, mostra que todos somos bons ou maus, tudo depende do contexto e da situação. Tereza, Tomas, Sabina e Franz são pessoas normais, com histórias um pouco loucas em um tempo de guerra, em um tempo em que pensar poderia ser considerado crime, eles existem, eles amam, eles transam muito, eles são humanos com problemas de humanos exatamente como nós.

Mas essa humanidade é escrita por Kundera de uma maneira tão filosófica e tão terna que faz com que você mergulhe naquele mundo medíocre deles e se deixe levar pela história. Não tenho mais o que falar, apenas leiam quando sentirem que devem, porque é assim que os livros funcionam pra mim, eles chegam quando tem que chegar... es muss sein.

Alguns quotes que grifei:

"O homem, porque não tem senão uma vida, não tem nenhuma possibilidade de verificar a hipótese através de experimentos, de maneira que não saberá nunca se errou ou acertou ao obedecer a um sentimento. Tudo é vivido pela primeira vez e sem preparação. Como se um ator entrasse em cena sem nunca ter ensaiado".

"Tem de ser assim, Tomas repetia para si mesmo, mas logo começou a ter dúvidas: teria mesmo de ser?"

"No começo do Gênese está escrito que Deus criou o homem para reinar sobre os pássaros, os peixes e os animais. É claro, o Gênese foi escrito por um homem e não por um cavalo. Esse direito nos parece natural porque somos nós que estamos no alto da hierarquia. Mas bastaria que um terceiro entrasse no jogo, por exemplo, um visitante de outro planeta a quem Deus tivesse dito: 'Tu reinarás sobre as criaturas de todas as estrelas'... O homem atrelado à carroça de um marciano - eventualmente grelhado no espeto por um habitante da Via Láctea - talvez se lembrasse da vitela que tinha o hábito de cortar em seu prato. Pediria então (tarde demais) desculpas à vaca."

30 de set de 2017

"If you never try, you'll never know"

Depois de postar todos os dias em agosto entrei em uma ressaca de blog que já imaginei que iria acontecer, mas não sabia que seria tão intensa a ponto de pensar em desistir disso tudo. É, a gente pensa, repensa, pensa de novo, releva, joga tudo pro alto e sai catando depois. O fato é que eu não sei até que ponto está sendo saudável pra mim continuar aqui, mas é algo que não quero abrir mão porque tem tanto de mim, do meu tempo, do meu carinho que nem sei se seria capaz de abrir mão.

E é nessa reflexão que venho responder a segunda pergunta das 50 perguntas que irão libertar a sua mente (ou desgraçar mais a sua cabeça) que é: O que é pior: falhar o nunca tentar?, bem eu acho que o pior de tudo é nunca tentar. Minha primeira chefe sempre dizia: "Tenta, o não você já tem, agora tem que batalhar pelo sim". E é assim que tento ver as coisas, a possibilidade de dar errado você já sabe que tem, mas também existe a possibilidade de dar certo e é por ela que tenho tentado lutar a cada dia.

Agora se você não tentar não vai saber, já dizia Coldplay: "If you never try, you'll never know", então se eu não tentar continuar aqui nunca vou saber se vou conseguir e é isso que vou fazer: TENTAR!

Suspirare © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.